0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Revista Catolica O Lutador Amoris Laetitia Familia Feliz 800×350

Amoris Laetitia

A família no coração da Igreja

No dia 8 de abril, o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica sobre a família. A “Amoris Laetitia”, sobre a “Alegria do Amor”, reúne os resultados do Sínodo da Família, que ocorreu em duas etapas: uma em 2014 e outra em 2015, e trouxe a questão da família para o coração da Igreja e do mundo. A Exortação é publicada no contexto do Ano da Misericórdia e quer ajudar as famílias a apreciarem os valores como a generosidade, o compromisso, a fidelidade, e “encorajar a todos a serem sinais de misericórdia e proximidade para a vida familiar”. (AL, 5.)

Um cuidado especial

O documento começa por situar a família “À luz da Palavra” (Cap. I) e depois aborda a “A realidade e os desafios das famílias” (Cap. II). Mas, diferentemente do costume, não se busca na Palavra de Deus apenas um modelo de família já pronto, acabado; antes, acena para as situações concretas das famílias como elas são. E revela que as exigências de Jesus não se afastam da fragilidade concreta da vida das pessoas.

“Nas situações difíceis em que vivem as pessoas mais necessitadas, a Igreja deve pôr um cuidado especial em compreender, consolar e integrar, evitando impor-lhes um conjunto de normas como se fossem uma rocha, tendo como resultado fazê-las sentir-se julgadas e abandonadas precisamente por aquela Mãe que é chamada a levar-lhes a misericórdia de Deus.” (AL, 49.)

Depois, com “o olhar fixo em Jesus: a vocação da família” (Cap. III), que se ocupa dos ensinamentos da Igreja sobre o matrimônio e a família, reúne várias contribuições dos Padres Sinodais, lembrando também do dever dos pastores diante desta realidade tão bonita e complexa da família. E destaca que “o amor vivido nas famílias é uma força permanente para a vida da Igreja”. (AL, 88.)

Depois, trata do “Amor no matrimônio” (Cap. IV), retomando cada atitude expressa no hino ao amor presente na Carta aos Coríntios (cf. 1Cor 13,4-7), e termina reforçando que “a alegria matrimonial, que se pode viver mesmo no meio do sofrimento, implica aceitar que o matrimônio é uma combinação necessária de alegrias e fadigas, de tensões e repouso, de sofrimentos e libertações, de satisfações e buscas, de aborrecimentos e prazeres, sempre no caminho da amizade que impele os esposos a cuidarem um do outro”. (AL, 126.) E ainda, “não é possível prometer que teremos os mesmos sentimentos durante a vida inteira; mas podemos ter um projeto comum estável, comprometer-nos a amar-nos e a viver unidos até que a morte nos separe, e viver sempre uma rica intimidade”. (AL, 163.)

Fecundidade no amor

Segue-se depois para “o amor que se torna fecundo” (Cap. V). “A família é o âmbito não só da geração, mas também do acolhimento da vida que chega como um presente de Deus.” (AL, 166.) Alarga-se o horizonte de compreensão da família olhando para o matrimônio em seu caráter social e a necessidade de um contínuo crescimento na relação para com os outros. “Deus confiou à família o projeto de tornar ‘doméstico’ o mundo, de modo que todos cheguem a sentir cada ser humano como um irmão.” (AL, 188.)

A Exortação Apostólica debruça-se também sobre “algumas perspectivas pastorais” (Cap. VI), onde as famílias, pela graça sacramental, são apresentadas como os “sujeitos principais da pastoral familiar”. (AL, 200.) E a pastoral familiar “deve fazer experimentar que o Evangelho da família é resposta às expectativas mais profundas da pessoa humana”. (AL, 201.)

[ Aborda-se com clareza a necessidade da preparação para o matrimônio, o acompanhamento dos casais nos primeiros anos de vida matrimonial e a ajuda para os momentos de crise: “Uma das causas que leva a rupturas matrimoniais é ter expectativas demasiado altas sobre a vida conjugal. Quando se descobre a realidade mais limitada e problemática do que se sonhara, a solução não é pensar imediata e irresponsavelmente na separação, mas assumir o matrimônio como um caminho de amadurecimento, onde cada um dos cônjuges é um instrumento de Deus para fazer crescer o outro. […] Cada matrimônio é uma ‘história de salvação’.” (AL, 221.) ]

Recomenda, ainda, o acompanhamento depois das rupturas e divórcios. E quanto às pessoas divorciadas que vivem numa nova união, salienta que “é importante fazer-lhes sentir que fazem parte da Igreja, que ‘não estão excomungadas’ nem são tratadas como tais, porque sempre integram a comunhão eclesial”. (AL, 243.) E reafirma a necessidade de “tornar mais acessíveis, ágeis e possivelmente gratuitos de todo os procedimentos para o reconhecimento dos casos de nulidade” […] e de “colocar à disposição das pessoas separadas ou dos casais em crise um serviço de informação, aconselhamento e mediação, ligado à pastoral familiar”. (AL, 244.)

Acompanhar, discernir e integrar

“Reforçar a educação dos filhos” – este é o assunto do Cap. VII, e destaca a necessidade da formação ética, o valor da sanção como estímulo, o realismo paciente, a educação sexual, a transmissão da fé. Trata da educação sexual de uma forma positiva – “Sim à educação sexual” – seguida do tripé “acompanhar, discernir e integrar a fragilidade” (Cap. VII), que explicita o exercício da misericórdia para tratar pastoralmente as situações que não correspondem plenamente ao que o Senhor propõe.

“Trata-se de integrar a todos, deve-se ajudar cada um a encontrar a sua própria maneira de participar na comunidade eclesial, para que se sinta objeto duma misericórdia ‘imerecida, incondicional e gratuita’. Ninguém pode ser condenado para sempre, porque esta não é a lógica do Evangelho!” (AL, 297.) O Papa assim se expressa: “Convido os fiéis, que vivem situações complexas, a aproximarem-se com confiança para falar com os seus pastores ou com leigos. […] E convido os pastores a escutar, com carinho e serenidade, com o desejo sincero de entrar no coração do drama das pessoas e compreender o seu ponto de vista, para ajudá-las a viver melhor e reconhecer o seu lugar na Igreja”. (AL, 312.)

A Exortação termina tratando da “espiritualidade conjugal e familiar”, na qual tudo, “os momentos de alegria, o descanso ou a festa, e mesmo a sexualidade são sentidos como uma participação na vida plena da sua Ressurreição”. (AL, 317.) “Não percamos a esperança por causa dos nossos limites, mas também não renunciemos a procurar a plenitude de amor e comunhão que nos foi prometida.” (AL, 325.)

Em nossas mãos, um rico conteúdo que expressa como a família está no coração da Igreja. Esta Exortação precisa ser lida, estudada, aprofundada e assimilada para que se converta em práticas misericordiosas para vida de todas as famílias na Igreja e na sociedade.

Ir. Denilson Mariano, sdn]

Deixe uma resposta