0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais

Comunidades no mundo urbano

Quando percorremos a Sagrada Escritura, vemos que, desde o início, Deus quis formar um povo. Vemos também como Deus conduziu e amparou o seu povo nos momentos difíceis. Por sua vez, Jesus também reuniu uma comunidade de seguidores, caminhou com eles, inspirou-lhes uma nova forma de viver e lhes confiou a responsabilidade de continuar a Sua missão no mundo. As Escrituras Sagradas nos revelam um Deus que é comunidade e quer que seus filhos também em comunidade. O Deus comunidade quer que também nós sejamos comunidade.

Em nossos dias, no entanto, o ideal da vida em comunidade encontra-se fragilizado pelas ondas do individualismo crescente. Cada um parece por demais preocupado apenas consigo mesmo. Voltado apenas para os próprios interesses. Isso enfraquece o espírito de comunidade e a comunidade mesma. Estudos têm apontado para uma “sociedade líquida” ou “fluída” para indicar a dificuldade de formação de laços de unidade, bem como para denunciar a fragilidade dos laços que se formam. Assim nós, como Igreja, não deixamos de sofrer as influências e as consequências das transformações sociais. Também em nossas comunidades e grupos eclesiais, há uma espécie de enfraquecimento do sentido de pertença.  Há um enfraquecimento da vida de comunidade.

O ambiente da cidade parece ser ainda mais desafiante para a vivência comunitária. As pessoas estão próximas fisicamente uma das outras, moram nos mesmos prédios ou condomínios, esbarram-se umas nas outras pelas praças e ruas, mas não se conhecem, nem mesmo conhecem seus vizinhos. Vivem as mesmas situações como a agitação e a correria das cidades, convivem com o aumento da violência e até partilham do drama da solidão. Mas cada uma em seu mundo particular. E não raro, parece que todos desconfiam de todos…

Essa situação não se restringe aos habitantes das grandes cidades. O fenômeno dessa urbanidade, ou seja, esse jeito de ser do cidadão da cidade, propaga-se pelos meios de comunicação e pelas redes sociais e é partilhado também por muitos moram também no interior. As pessoas tecem suas próprias convicções, procuram jeito de viver no seu mundo particular o mais possível independe dos outros. Isso enfraquece os laços de vida em comunidade, sobretudo os laços de comunidade geográfica. Ou seja, a vivência da comunhão entres os vizinhos ou moradores de uma mesma localidade.

Acreditamos que Deus continua nos convocando para a vida em comunidade. A nossa fé cristã é essencialmente uma fé comunitária. A pessoa que crê, o fiel que acredita em Deus é chamado a expressar a sua fé em comunidade. Deus é comunidade e é na comunidade que ele se revela e se deixa encontrar: “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, aí estou no meio deles” (Mt 18,20). Temos a missão de buscar luzes que iluminem e que nos ajudem a abrir caminhos para a vida de comunidade no nosso mundo urbanizado. Ajudar a reencontrar o Deus que habita em nós e nos quer em comunidade nesse mundo de hoje.

E isso é pra começo de conversa!

Denilson Mariano