0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais

A vítima da casa

  1. Coisas que acontecem

Inesperadamente, Nenzinha veio da cozinha, com o pano de pratos nas mãos e explodiu: – “Chega! Chega! Até agora eu trabalhei como uma escrava! Passei toda minha vida trabalhando enquanto vocês se divertiam… Agora, chega!” E começou a chorar um pranto descontrolado, o peito abalado por soluços descontrolados.

O marido levou um choque, dobrou o jornal, desligou a TV e foi varrer a horta. Os filhos pegaram seu celular e foram para o quarto. Que teria acontecido com a esposa exemplar? Que bicho mordera a mãe perfeita?

 

  1. Pensando juntos

É comum que, em toda família, alguém fique sobrecarregado de trabalho, sem que os demais membros tenham consciência disso. Há uma vítima na casa e ninguém percebe. Em geral, a vítima é a mãe.

Desde o casamento, Nenzinha assumiu todas as tarefas e cuidou de tudo. Perfeccionista, preocupada com sua imagem de esposa e mãe, um tanto crítica em relação às outras mulheres, ela sempre carregou o mundo nas costas. E como faz tudo bem feito, marido e filhos deixam as tarefas da casa por conta dela.

O que ninguém notou é que ela se sente uma vítima. E o é, de fato. Enquanto cada um cuida de si mesmo, ela cuida de todos e… ninguém cuida dela… Quando ela está cansada ou chora em silêncio, os outros continuam a pesar em seus ombros.

O marido reclama da situação na empresa, onde os colegas fazem corpo mole e o sobrecarregam, mas não percebe o sacrifício da esposa. A filha mais velha, que protesta por fazer os trabalhos de equipe que as colegas irão apenas assinar, também nada vê…

 

  1. Para uma reunião de casais

– Você conhece alguma mulher que vive a situação de Nenzinha? Como ela reage?

– Você diria que ela se faz de vítima? Ou realmente ela é explorada pela família?

– Em sua família, como se faz a distribuição das tarefas da casa? Alguém fica sobrecarregado com a indiferença dos outros?

– Você acha que é possível melhorar a distribuição desses serviços de modo que a caridade e a justiça reinem no seu lar?

 

Deixe uma resposta