0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Revista Catolica O Lutador 3868 A Importancia Da Familia

A importância da família no processo da Educação Cristã

Como Igreja doméstica, nossa família é uma pequena comunidade a serviço do ser humano. É um abrigo para os nossos filhos, nossos irmãos de sangue e nossos pais, tios e demais familiares. O sacramento do matrimônio carrega a missão de educar, humana e cristãmente, os nossos filhos. Que bom seria se todas as famílias pudessem amar, respeitar e educar os filhos que nos são confiados por Deus, de acordo com os valores humanos e cristãos, através do respeito e da promoção da vida humana, da dignidade da pessoa, da justiça e do bem comum!

Valorizar a família
Neste mês de agosto, em especial, nossa Igreja nos propôs refletir sobre a família. O “Documento de Aparecida” nos fala da importância de valorizar a família e defender seus direitos neste tempo de tantas mudanças. A família deve ser uma escola de fé e esperança, um lugar de amor, uma verdadeira Igreja doméstica. Nós, casais, que somos a origem e alma de nossas famílias, podemos ser também mestres, guias e formadores de uma verdadeira família cristã, através do diálogo em família.
A Sagrada Família – Jesus, Maria e José – é um modelo de família (cf. Lc 2,41-52). “Jesus crescia em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens.” Para Jesus, sua família foi, sem dúvida, como uma escola onde aprendeu e cresceu nesta sabedoria que o fez viver em graça, amor e intimidade com Seu Pai celestial e, ao mesmo tempo, em relacionamento amoroso com Maria e São José. Até seus vizinhos de Nazaré se perguntaram: “de onde vem a este tanta sabedoria?” (Mt 13,54.) Esta sabedoria foi o que lhe permitiu crescer em graça diante de Deus e dos homens, e amar-nos na alegria e na adversidade, até dar sua vida por seus amigos.
Realmente, Jesus foi um bom aluno em uma escola de amor chamada Sagrada Família. A qualidade do relacionamento que os nossos pais tiveram entre si, os exemplos e testemunhos, os valores morais e religiosos que nos foram passados, a cultura e a educação recebida, têm influência direta no tipo de pessoa que somos.
A família se alimenta do amor
O tipo de relacionamento que mantemos com nossos filhos passa através da relação que mantemos com nosso esposo ou com nossa esposa. Não podemos ter um bom relacionamento com eles, se meu relacionamento com meu esposo ou esposa não é bom. Se você quer ser um bom pai, seja um grande esposo. Se quer ser uma boa mãe, seja uma grande companheira para o seu marido. Isto que parece simples, na prática não é. Por quê?
A comunidade familiar se alimenta profundamente do amor, quando nosso amor se baseia em nos doarmos aos demais. Dou aos outros aquilo que eu desejo para mim mesmo. A vida em comum é um convite ao diálogo, ao compartilhar de sentimentos. Esta simples prática nos permite sair do egoísmo. Aprendendo a dialogar, escutar e a compartilhar, conseguimos descobrir a alegria imensa que proporciona a comunhão, a unidade que é fruto da convivência amorosa de um lar.
Devemos aumentar o nosso potencial de relacionamento de casal, de marido e mulher. A partir daí, iremos automaticamente aumentar o nosso relacionamento com os filhos. Paternidade não é apenas a criação física dos filhos, mas, mais do que isso, é a criação de uma relação com eles. Na convivência de nosso lar, temos de escutar o conselho de Jesus: “Assim, em tudo, façam aos outros o que vocês querem que eles lhes façam”. (Mt 7,12.)

Tirar os excessos
Certa vez Michelangelo viu um bloco de pedra e disse: “Eu vou esculpir um anjo neste bloco de pedra”. Depois de algum tempo, com muita perícia, paciência e seu gênio de escultor, produziu um belíssimo trabalho. Terminada a obra de arte, lhe perguntaram como é que ele conseguia fazer aquela proeza. Ele respondeu: “O anjo já estava naquele bloco. Eu apenas tirei os excessos de pedra que estavam sobrando”. Educar é isto, é ir esculpindo com paciência e perícia, tirando os maus hábitos, passando os valores e transformando os valores em virtudes, até que o “anjo” apareça.
“Jesus cresceu em graça diante dos homens.” A família foi, para Jesus, o lugar onde ele experimentou o amor de seus pais e aprendeu a crescer doando seu amor às pessoas. O amor nasce espontaneamente, mas só cresce se cultivado. O amor, como o fogo, não aceita a paralisação: ou continua ardendo ou se apaga. Há que se continuar aprendendo o amor verdadeiro. O matrimônio é uma escola de amor. Amar é, portanto, uma decisão que se aprende a tomar na família.]

* Equipe Eclesial Regional Sul I
(11) 98775-3333 / (11) 98775-2222
emm-regional-sul1@watermeyer.com.br

Deixe uma resposta