0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Padrao Palavra De Vida Destaque Post

30/04/2016 – Também perseguirão a vós… (Jo 15,18-21)

Se nós fôssemos “do mundo”, garante-nos Jesus, seríamos certamente apreciados e valorizados. Quem vê televisão ou acompanha o noticiário esportivo pode confirmar isto. Dinheiro, fama e simpatia para os “ídolos” da tela e das arenas.

Mas não somos do mundo, somos de Cristo. E Cristo foi odiado. Incômodo, incapaz de pactuar com a mentira e o pecado, foi logo “eliminado”. O ícone bizantino da Crucifixão mostra Jesus na cruz. No fundo, veem-se duas muralhas: a do Templo e a da cidade. Isto mostra a dupla “excomunhão”, o duplo anátema sofrido por Jesus: excluído do espaço religioso e excluído do espaço social. Mais uma vez, “não havia lugar para ele”…

Pode ser um “dever de casa” ir folheando as páginas do Evangelho e anotar os sinais do ódio contra Jesus: o Rei Herodes tenta matá-lo ainda bebê: (Mt 2,16); seus conterrâneos espumam de raiva e querem lançá-lo do alto do monte (Lc 4,28-29); armadilhas doutrinárias contra Jesus (Jo 8,6); arapucas políticas (Mc 12,13ss); tentativas de lapidação (Jo 10,31); a decisão oficial de levá-lo à morte (Jo 11,49-50) e, enfim, a traição de Judas (Mc 14,10-11).

Muitos de nós temos sofrido perseguição. Eu, pessoalmente, fui preso em 1968, em Volta Redonda, RJ, por ocasião do Ato Institucional nº 5, em consequência da crise entre a Igreja local e o Exército. Mas outros cristãos, leigos e padres, chegaram a ser torturados e mortos devido às posições que haviam tomado a partir de sua fé.

Jesus anunciara que seria assim. Só que, na hora do aperto, quando nos chamam de carola ou rato-de-sacristia, quando o marido pergunta à esposa se ela não quer levar o colchão para a sacristia, quando os colegas de trabalho jogam a sua Bíblia no cesto de lixo (aconteceu com um amigo nosso!), aí nós ficamos chateados… Vejam só o que fizeram comigo, um cristão tão fiel!!! E nos fazemos de vítimas, mostrando que esperávamos algum tipo de prêmio ou retribuição por nossa fé.

No fundo, é uma infantilidade. Os primeiros catecúmenos, quando pediam o Batismo cristão, sabiam que estavam assinando o seu atestado de óbito. Logo, logo estariam enfrentando o carrasco ou os leões do Coliseu. Nós, pós-modernos, imaginamos que a certidão de batismo é a nossa inscrição para o Prêmio Nobel da Paz. Por isso nunca estamos dispostos a sofrer as eventuais perseguições sem crises hepáticas…

Jesus Cristo sofreu. Sua Mãe, a Senhora das Dores, também sofreu. Por que nós não deveríamos sofrer?

 

Orai sem cessar: “Só em Deus repousa a minha alma!” (Sl 62,2)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Deixe uma resposta