0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais

28o Domingo do Tempo Comum – 09/10/2016

“Jesus, tem compaixão de nós!” (Lc 17,13)

Leituras: 2Rs 5,14-17; Sl 97[98]; 2Tm 2,8-13; Lc 17,11-19

  1. O dom de Deus não tem preço. É o tempo dos profetas Elias e Eliseu (séc. IX a.C.). O general sírio Naamã sofria de doença da pele. Uma jovem de Israel, serva da mulher do general, afirma que o profeta Eliseu podia curá-lo em nome do Senhor.

O capítulo 5o mostra a caminhada, conversão e fé do general Naamã. Ele pensa que o rei de Israel poderia curá-lo, mas se engana (vv. 6-7). O profeta Eliseu vai curar o general pagão para mostrar que há um profeta em Israel (v. 8). Mas Eliseu dá uma ordem que desagrada ao general: lavar-se sete vezes no Jordão (v. 10). O general debocha do profeta, pois em Damasco há rios mais famosos do que o Rio Jordão de Israel.

Ele queria um milagre instantâneo (vv. 10-12). Mas, depois, a conselho de seus servos, obedeceu ao profeta e ficou curado (vv. 13-15). Naamã reconhece que não há outro Deus na terra a não ser o de Israel (v. 15). Depois, insiste com o profeta para aceitar um presente como sinal de reconhecimento, mas o profeta não aceita nada, para mostrar a gratuidade das ações de Deus.

Curando o general Naamã, Eliseu ele mostra que está a serviço de Deus doador da vida para todos. As ações de Deus são totalmente gratuitas. O povo deve viver um novo tipo de relacionamento baseado no serviço e na gratuidade. E deve reconhecer o poder de Deus e depositar plena confiança nele.

  1. Do sofrimento para a glória. Os cristãos fiéis à prática de Jesus são chamados à resistência na fé, pois também Jesus resistiu a todo tipo de sofrimento e, sem vacilar, enfrentou a morte, mas depois ressuscitou dos mortos (v. 8). Paulo prega o Evangelho de Jesus morto e ressuscitado, para que cada cristão possa resistir a todo tipo de sofrimento e ser capaz de enfrentar até mesmo a morte, se for preciso, por causa de Jesus.

Paulo sofre por causa do seu Evangelho a ponto de estar acorrentado como malfeitor. Mas, se ele está acorrentado, a Palavra de Deus não está algemada (v. 9b) Ninguém pode prendê-la. Isto dá força e coragem para o apóstolo suportar qualquer coisa por causa dos escolhidos. Ele quer que “também eles alcancem a salvação que está em Jesus Cristo, com a glória eterna”.

Nota-se o contraste entre a vida deste mundo, com suas dificuldades e sofrimentos passageiros, e a glória eterna do outro mundo, na companhia de Jesus glorificado. “Se negarmos o Cristo, é claro, ele também nos renegará; mas se morrermos com ele, com ele viveremos; se sofrermos com ele, com ele reinaremos”. Em síntese, ser cristão é perseverar, morrer, viver e reinar com Cristo.

  1. O dom de Deus é para todos. Passando Jesus por Samaria, dez leprosos vieram ao seu encontro com esperança de serem curados (vv. 12-13). O texto diz que um era samaritano e insinua que os outros nove eram judeus. Judeus e samaritanos não combinavam, mas aqui eles caminhavam juntos. É que a miséria e a exclusão só encontram saída através da solidariedade.

Os dez pararam de longe, pois não podiam aproximar-se das pessoas; deviam morar fora do povoado, longe do convívio social, com a vida de um verdadeiro excluído.

Graças a Deus, progredimos um pouquinho neste campo, pois os hansenianos de hoje participam da convivência social. Mas não devemos tranquilizar nossa consciência, pois os leprosos simbolizam, no Evangelho, todos aqueles que a sociedade marginaliza, todos os excluídos de ontem e de hoje.

Eles apelaram para a compaixão de Jesus (v. 13), que os atendeu e mandou que se apresentassem aos sacerdotes, encarregados de dar alta aos doentes, como o médico de hoje, depois de analisar e perceber a cura.

O evangelista salienta que ficaram curados enquanto caminhavam. Jesus também caminhava para Jerusalém. A cura, portanto, está na caminhada do cristão, no engajamento a serviço do outro na comunidade; a cura está no seguimento de Jesus.

Só o samaritano voltou para dar glória a Deus e agradecer. Os nove judeus não voltaram. Jesus fica sentido com a insensibilidade e a falta de gratidão dos judeus.

Lucas distingue a cura física da salvação pela fé. Todos foram curados, mas só ao samaritano Jesus diz: “Levanta-te e vai. Tua fé te salvou!” O samaritano levantou-se como um ressuscitado, como um homem curado física e espiritualmente, e, como cristão, deve prosseguir sua caminhada de fé: “Vai. Tua fé te salvou!”

Leituras da semana

Dia 10: Gl 4,22-24.26-27.31 – 5,1; Sl 112[113],1-4.5a-7; Lc 11,29-32

Dia 11: Gl 5,1-6; Sl 118[119],41.43-45.47-48; Lc 11,37-41

Dia 12: Est 5,1b-2; 7,2b-3; Sl 44[45],11-16; Ap 12,1.5.13a.15-16a; Jo 2,1-11

Dia 13: Ef 1,1-10; Sl 97[98],1-6; Lc 11,47-54

Dia 14: Ef 1,11-14; Sl 32[33],1-2.4-5.12-13; Lc 12,1-7

Dia 15: Ef 1,15-23; Sl 8,2-7; Lc 12,8-12

Deixe uma resposta